Garagem do Viajante

Nessa garagem, a proposta é trabalharmos o motivacional a partir de inspirações como as famosas ‘bandas de garagem’. A sugestão é criarmos um lugar aconchegante para planejarmos as paradas das rotas e, ao voltar, termos um lugar para desacelerar e expor acervos das aventuras. 

Inspirações sobre a paleta de cores retirei do livro Gregori Warchavchik, onde há uma narrativa descrevendo o primeiro evento modernista realizado por Tarsila do Amaral, Lasar Segall e pelo próprio arquiteto em sua casa da Rua Santa Cruz, na Vila Mariana, SP,  nas quais as paredes eram verde-piscina, os sofás e estofados na cor roxa, as cortinas em vinho e os móveis pintados em prata. E esta é uma forma de homenagear o arquiteto. Criei uma brincadeira com as arandelas, dando originalidade aos anos 1950 no teto, e trouxe o tapete de Noel Marinho junto nessa proposta para criar um movimento no ambiente de velocidade.